Decoração

Tipos de cortina

Oi gente! Hoje vou falar um pouco sobre os tipos de cortina e o que se deve levar em conta para acertar na escolha, já que existem muitas opções de tecidos no mercado. O foco desse post serão as cortinas em tecido, mas em breve preparo um sobre persianas também.

As cortinas são elementos decorativos importantes e também servem para bloquear total ou parcialmente a luminosidade, dar privacidade e auxiliam no conforto térmico e acústico dos ambientes. Por isso as primeiras coisas que devemos levar em consideração são: qual é o objetivo da colocação da cortina, o ambiente que ela será instalada e o tipo de decoração desse ambiente.

Com a resposta dessas três questões podemos partir para a escolha do tecido. Os tecidos mais encorpados e pesados são utilizados mais em climas frios e ambientes com decoração mais clássica. Alguns exemplos:

  • Sarja: É um tecido bem encorpado e fica muito bem em ambientes informais e descontraídos.
  • Veludo: Tem um visual pesado e encorpado, mas com um toque macio. Deixa o ambiente sofisticado e aconchegante.
  • Shantung: Tem um visual pesado, caracteriza-se por ter um lado opaco e outro brilhante e costuma apresentar alguns fios irregulares. É também uma opção bem sofisticada.
  • Backout: É um tecido à base de poliéster, que bloqueia 100% a luminosidade.

Os mais leves são usados mais em climas frescos e podem ter ou não forro/segundo tecido. Transmitem leveza, possuem bom caimento e tem fácil manutenção. Alguns tipos:

  • Voil: É um tecido fino, transparente e muito utilizado. Tem um ótimo caimento e combina muito bem com outros tipos de tecidos quando se quer fazer um mix. Se possível opte pelo voil de poliéster, a manutenção é mais prática podendo ser lavado sem nenhuma restrição.
  • Linho: Apesar de ser um tecido mais estruturado, transmite bastante leveza, fluidez e possui certa transparência. Pode ser usado em diversos tipos de ambientes, também combina com outros tipos de tecido e deixa o ambiente sofisticado.
  • Organza: Também se caracteriza por ser leve e transparente, mas possui um brilho discreto.

Para escolha do tecido também fique atento ao tipo de manutenção, somente os tecidos leves e/ou sintéticos podem ser lavados em casa, os outros devem ser lavados à seco para que não encolham.

Com o tecido definido, devemos escolher a cor ou a estampa dele, mas lembre-se de levar em conta o ambiente que está sendo decorado e o restante da decoração desse espaço para que o todo fique harmônico, ok?!

Dependendo do ambiente e do objetivo do uso da cortina, poderá ser feito um mix de dois ou mais desses tipos de tecidos, para atender as diversas necessidades em diferentes momentos. Para o quarto e para salas de TV esse recurso é muito usado, pois tem momentos em que queremos tudo bem escuro e em outros um pouco de luminosidade, mas com privacidade.

Para um visual mais bonito, o ideal é que a cortina vá até o piso, a não ser que exista algum móvel integrado logo abaixo do peitoril. Também devemos ficar atentos aos diferentes tipos de barras, que valorizam ainda mais a decoração, podendo até ser de uma cor diferente, mas no mesmo tecido do restante da cortina.

Uma dica muito importante para quando se tem em um mesmo ambiente janelas com tamanhos e formatos diferentes é padronizar o tecido, o modelo e altura das cortinas, para conseguir dar aquela disfarçada básica!

Para o post não ficar muito longo, volto sexta que vem com uma continuação sobre esse tema de cortinas de tecido, vou falar sobre os tipos de pregas, os tipos de suporte de fixação e os cortineiros, tá?!

Qualquer dúvida, só comentar aí embaixo!

Bêjo!

Fotos via: 1- DB Arquitetos; 2- SP Estudio e 3- PKB Arquitetura

Previous Post Next Post

You Might Also Like

Nenhum comentário

Comenta aí gente!